Liquid Tension Experiment 3

Liquid Tension Experiment 3

Assim que foi anunciado, Liquid Tension Experiment 3 (LTE 3) se tornou talvez o álbum de metal progressivo mais aguardado de 2021. Afinal, já se passaram mais de vinte anos desde o quarteto instrumental – o baixista Tony Levin, o tecladista Jordan Rudess, o baterista Mike Portnoy e o guitarrista John Petrucci – lançaram sua última coleção de estúdio; apesar de todas as grandes coisas que eles fizeram (separadamente ou juntos) ao longo dos anos, os devotos ainda clamavam por uma sequência adequada do LTE 2 de 1999.

liquid tension experiement 3
No sentido horário: Jordan Rudes (barba branca), Tony Levin, John Petrucci e Mike Portnoy

Felizmente, LTE 3 é exatamente isso. Como Petrucci disse ao Ultimate Guitar em fevereiro, eles estavam pensando em fazer isso há anos, mas o momento nunca parecia certo; isto é, até por volta de agosto passado, quando eles se encontraram em segredo para gravar o LP no Millbrook Sound Studios em Nova York (onde os dois primeiros discos foram feitos).

Portnoy – no comunicado à imprensa – admite que a reunião do grupo depois de dez anos foi “surreal”, mas eles naturalmente começaram a fazer o que sempre fizeram: trazer suas próprias demos para a mesa, concentrando-se principalmente no momento, na improvisação. O resultado é uma obra que, se não totalmente melhor do que seus antecessores, certamente se classifica ao lado deles e atende a todas as expectativas que os admiradores possam ter.

Faixas do álbum principal do Liquid Tension Experiment 3

Como era de se esperar, o álbum não perdeu tempo, distribuindo agressões complexas e intimidantes por meio da apropriadamente chamada “Hypersonic”. Seus momentos de abertura por si só oferecem um discurso de ritmos e riffs sincronizados com rapidez, cujas ascensões e descidas vertiginosas pareceriam uma auto-paródia se não fossem feitas com tanta maestria. Como de costume, sua abrasividade ininterrupta o distingue um pouco dos instrumentais mais dinâmicos e fantasiosos da miríade de outros projetos dos membros, como Dream Theater, por exemplo.

A partir daí, LTE 3 segue mais ou menos a mesma trajetória, mas com algumas idiossincrasias por faixa para dar a cada música sua própria identidade. Por exemplo, “Beating the Odds” faz grande uso de trompas majestosas (via teclado) e melodias de guitarra carregadas de emoção. Acredito ser a mais acessível ao grande público, embora não tenha nada de popular.

Mais tarde, “Liquid Evolution” oferece uma pausa apreciada por meio de seu transcendentalismo fluido quase New Age , enquanto “Chris & Kevin’s Amazing Odyssey” é um “dueto vanguardista Portnoy / Levin” apropriadamente autodescrito, cheio de efeitos sonoros de baixo bizarros e percussão esporádica. Particularmente, não gostei desta faixa.

“The passage of time”, uma das minhas favoritas, tem riffs pesados, velozes e complexos, numa demostração (ou ostentação?) do que são capazes de fazer. Para quem conhece os trabalhos anteriores dos músicos, talvez se aborreçam com a alternância de solos de guitarra e teclado, que nem sempre se harmonizam com o todo.

Posteriormente, “Shades of Hope” é uma balada única de Petrucci e Rudess que realmente destaca suas compatibilidades como criadores elegantes, reservados e comoventes. No entanto, destoa das demais por não ter grandes variações temáticas, rítmicas e de timbres. Bonita, mas deslocada.

O cover/versão da belíssima “Rhapsody in Blue”, uma composição musical de 1924 do compositor americano George Gershwin, que mistura elementos da sinfônica clássica com jazz, foi uma escolha perfeita para o metal progressivo do grupo. É impecavelmente fiel, mas também repleto de voos vibrantes de tonalidades extravagantes e cortantes como apenas esses caras poderiam conjurar. Maravilhosa. Até agora, minha favorita.

Na sequência, “key to the imagination” – como o título sugere – é a composição épica mais extravagante do grupo. Ela começa sobria e pacificamente, antes de mergulhar de cabeça em uma exibição sinfonicamente esquizofrênica de tudo o que o LTE pode fazer. O tempo todo, o quarteto evoca várias influências do rock progressivo dos anos 1970 (a saber, Yes e Rush), sem nunca aparecer como um derivado. Como resultado, “key to imagination” é uma forma perfeitamente adequada de concluir.

LTE 3
LTE 3 – Fantástico

Na versão “deluxe” do Liquid Tension Experiment 3, ainda tem as faixas “blink of an eye”, “solid resolution theory”, “view from the mountaintop”, “your beard is good” e “ya mon”. Acho que separam das demais, das principais, por se parecerem muito com jams sessions, sem um tema bem claro definido, flutuando nas improvisações (o que não deixa de ser bom e assombroso).

Liquid Tension Experiment 3 é um retorno notável para uma dos maiores conjuntos instrumentais do metal progressivo. Ele oferece exatamente o que os entusiastas da banda esperavam. Oito faixas que constituem algumas das passagens mais assustadoramente intrincadas, cativantes, coloridas e / ou calmamente melódicas que o quarteto já escreveu. E como é bom poder ouvir o som de um baixo se destacando entre a guitarra e o teclado. Tony Levin me surpreendeu positivamente.

Seria imprudente da minha parte falar eles estão no ápice de suas capacidades musicais, pois estão sempre evoluindo, e a criatividade parece ser infinita.

Apesar disso, eles realmente não saem de suas zonas de conforto ou desafiam a si mesmos (ou aos ouvintes) com novas direções radicais. Seria uma boa oportunidade para um John Petrucci mais dark e sujo e um Jordan Rules mais sinistro e atmosférico. Em vez disso, eles jogam em seus pontos fortes e características mais adoradas para satisfazer o máximo possível. Em outras palavras, o Liquid Tension Experiment 3 é veloz, preciso, complexo, rico é vibrante. Mesmo sendo pesado, permanece no lado claro da força, brilhante e não corrompido. “Nota 11/10”.


Faixa “the passage of time”

Gostaria de escrever mais sobre música mas, para mim, é um tarefa complicada. Descrever o que acho quando ouço música é difícil, pois não tenho pensamentos organizados, sendo algo mais intuitivo e sensorial. Por causa disso, peguei como base um crítica escrita por outra pessoa e ajustei para ficar próximo do meu gosto.

Via: Metal injection

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *