Inferno astral

Inferno astral

inferno astral

Existe inferno astral?

Astrologicamente falando, NÃO. Simplesmente não. Pode ser um pouco anti-climático dar uma resposta tão curta e seca sobre um assunto que intriga tantas pessoas assim, logo de cara mas, para descontentamento de muitos, não há nada na literatura astrológica que faça menção à esse termo.

Vamos por partes:

Inferno é a denominação judaico-cristã do lugar para onde os pecadores vão depois da morte. Refere-se à sofrimento, dor e desesperança. Faz sentido apenas para parte da população que acredita nessas doutrinas.

E o que significa astral? Atribui-se ao astral como sendo uma outra dimensão, um lugar onde não existe o corpo físico, sendo apenas mental ou espiritual. Tanto faz uma denominação como outra, porque não há como ser comprovada cientificamente ou ter um meio de acesso disponível para qualquer uma que seja (embora muitos digam que conseguem).  

Há uma outra denominação para astral, que corresponde ao humor da pessoa.  Diz-se que uma pessoa alegre e otimista tem alto astral (energias com alta  ou boas vibrações); por outro lado, quem está triste, está com baixo astral (energias com baixa ou más vibrações). Assim, serve como um referenciador de uma condição do estado psicológico e emocional, embora seja apenas uma figura de linguagem.

Juntando-se as duas palavras, podemos inferir que é uma forma de descrever o conjunto de sentimentos desagradáveis, como se estivessem no inferno, alheio à vontade de quem experimenta, ou seja, algo externo ou vindo de fora.

inferno astral
Me deixem em paz!!!

Mas, se é assim tão furado, porque Inferno Astral é tão difundido?

A origem é incerta, porém parece ser um evento experimentado por toda a população mundial, quando acreditam que o período que antecede o aniversário é uma fase ruim, quando nos sentimos mal-humorados, impacientes, irritadiços. O tempo normalmente é de um mês, mas alguns acreditam que possa começar antes.

A razão por trás disso é mais psicológica do que por qualquer tipo de energia ou emanação vinda dos planetas (se é que existe tal coisa). Nos sentimos mal por ser o final de um ciclo. Há um sentimento natural de que algo está acabando, ou seja, outro ano se passou.

No período que antecede o aniversário, tendemos a ficar mais reflexivos e pensar nos eventos e acontecimentos que ocorreram no durante o ano. Há quem possa se sentir bem, se o ano foi produtivo, e há aqueles que podem se sentir mal, pelo ano não ter sido como esperava. Há um sentimento de despedida, de luto, como se não quiséssemos abrir mão de alguma coisa.

A percepção ou consciência de que estamos ficando mais velhos, que nunca mais viveremos essa idade, tende a causar desânimo e tristeza. Isso é mais comum à partir dos 30 anos, quando já estamos mais experimentados na vida, tendo uma percepção melhor desenvolvida do que os ativos e esperançosos adolescentes e vintolescentes.

carro velho
Velho não! Experiente…

Apesar de não haver uma explicação plausível para os sentimentos ruins experimentados durante o inferno astral, contraditoriamente, em alguns manuais e cursos de astrologia, são descritos os possíveis comportamentos de cada signo no período. Como o Zodíaco é dividido em 12 casas, correspondentes aos doze signos, a décima segunda casa é a que finaliza o ciclo, sendo os atributos normalmente associados à ela (e ao signo de peixes) o sofrimento, penação, desorientação, falta de limites claros, dissolução e de incerteza. Assim, podem ser aplicados ao signo que antecede aquele do seu aniversário, pois também é o fim de um ciclo.

Essa seria uma ligação, embora fraca, para justificar os sentimentos ruins durante esse período. Assim, por exemplo, a pessoa do signo de virgem viveria seu inferno astral durante o de leão. As características, áreas, tipos de eventos seriam coloridos pelos elementos normalmente associados ao signo de leão, sendo experimentados de forma negativa ou dolorosa.

Os tímidos virginianos têm que lidar com a exposição e protagonismo ligados ao signo de leão, deixando-os desconfortáveis. No entanto, há muitos outros fatores em um mapa astral que devem ser considerados e que tenham talvez mais impacto do que simplesmente à associação direta com o signo interior. 

Outro ponto relevante é que, a invenção e utilização de calendários é uma coisa relativamente nova, se comparada com o tempo total da existência humana e seus antepassados. O que tinha-se antes era uma noção aproximada baseada nas estações do ano. No entanto, os problemas experimentados eram de mais natureza básicas e elementares, como sobrevivência e satisfação das necessidades fisiológicas, do que problemas psicológicos ou existenciais (o que dirá pensar em inferno astral).

Em outras palavras, o tempo foi muito curto para que uma mudança significativa e profunda fosse impressa no DNA e nos genes, refletindo essas angústias emocionais, considerando que as expectativas foram criadas à partir do momento em que se teve a marcação e o controle mais preciso das datas de nascimento.

Finalizando, inferno astral é simplesmente um termo usado para Indicar o período quando se tem sentimentos ruins e sensações desagradáveis, que normalmente precedem o aniversário de determinada pessoa. É a junção de duas palavras com origens distintas e que agrupadas não fazem sentido lógico, mas que ficou convencionado de usá-las dessa forma. 

Você pode ler mais sobre os prós e contras da astrologia nas série de posts parte 1, parte 2 e parte 3.


Nota: Este post foi escrito no período em que me encontro no referido inferno astral. Coincidência ou não, estou experimentando a sensações ruins descritas acima. Há um descontentamento generalizado com relação ao andamento de minha vida e com as coisas que fiz e venho fazendo no ano que passou, apesar de ter feito coisas boas também.

A minha exposição com o site e nas redes sociais é desconfortável pois, a confrontação do que escrevo versus o que escrevem, e o alcance atingido por cada um,  me faz refletir sobre minha capacidade criativa e de comunicação. É frustrante ver um material pobre e raso ter muito mais visualizações do que aquilo que eu entrego. No entanto, tenho ciência de que é a reação de um ego inflado, que se acha melhor do que aparentemente é. Não consigo escrever as bobagens que as pessoas gostam. Escrevo as bobagens que não gostam.



E você, sente o peso do inferno astral? Deixe a resposta nos comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *