Escala de Kardashev.

Escala de Kardashev.

O que é a escala de Kardashev?

escala kardashev
A verdade está lá fora?

Creio que a maioria das pessoas não esteja familiarizada ou nunca tenha ouvido falar desta tal escala de Kardashev. Não é para menos. A aplicação limita-se mais como um exercício mental, exploração filosófica e temas de ficção cientifica.

Foi criada pelo astrofísico Nikolai Kardashev em 1964, sendo composta inicialmente por 4 categorias, e servia como referência de classificação para o nível de desenvolvimento de civilizações baseada na capacidade de aproveitamento de energia disponível pelo ambiente.

nilolai kardashev
Nikolai Kardashev at the US-USSR SETI Conference, held at the University of California, Santa Cruz in 1961, shortly before the collapse of the Soviet Union. [credit: S. Shostak]

Acreditava que, para avanços tecnológicos e manutenção de níveis satisfatórios de qualidade de vida da crescente população, seriam necessárias novas formas de extração e utilização de energia presentes em todas as manifestações naturais. Sem energia, não dá para se expandir.


A versão original foi aumentada e está assim atualmente:

Classificação de civilizações segundo Kardashev:

  • Tipo 0 – Uma civilização capaz de aproveitar a energia de seu planeta, mas não em todo o seu potencial. A civilização humana estaria aproximadamente em 0,7 nessa escala, pois ainda falta controlar com mais eficiência as reservas de energia sem contar que ainda não pode controlar o clima.
  • Tipo I – Uma civilização capaz de aproveitar toda a energia potencial de um planeta, energia esta que pode vir de qualquer fonte, seja energia eólica, energia solar, energia cinética, etc. Neste nível a civilização seria capaz até mesmo de aproveitar a energia gerada por vulcões, terremotos, tempestades, furacões e outros fenômenos de grande porte da natureza, tendo capacidade de controlar a temperatura e clima do planeta sem dificuldades.
  • Tipo II – Uma civilização capaz de aproveitar toda a energia potencial de uma estrela, com capacidade de alterar qualquer coisa dentro do sistema solar, como por exemplo mover planetas de órbitas ou aproveitar toda a energia potencial, além da energia da estrela, dos planetas que a orbitam.
  • Tipo III – Uma civilização capaz de aproveitar toda a energia potencial de uma galáxia, com capacidade de alterar qualquer coisa dentro dela, como por exemplo mover sistemas solares de suas órbitas, formar ou destruir estrelas, fundir ou dividir estrelas, usar planetas como blocos de construção para algo maior, aproveitar a energia potencial de supernovas ou hipernovas, formas de aproveitar a energia de buracos negros ou quasares e qualquer coisa relativa à manipulação possível com uma galáxia.
  • Tipo IV – Uma civilização capaz de aproveitar toda a energia potencial de um universo, basicamente as capacidades de uma civilização assim são inimagináveis, podendo-se especular alterações no espaço-tempo e controlar totalmente a entropia.
  • Tipo V – Uma civilização capaz de aproveitar toda a energia potencial de vários universos, partindo do pressuposto que o universo que habitamos é apenas um entre vários outros, como defende algumas teorias de multiverso. É difícil até imaginar as capacidades de uma civilização assim.
  • Tipo VI – Seria uma civilização que viveria fora do tempo e do espaço, sendo capaz de criar e destruir universos muito facilmente. Se o tipo V já era difícil de imaginar as possibilidades, a civilização tipo VI é muito mais difícil. Poderia ser colocado aqui o conceito de divindade para esta civilização, que faria, literalmente, qualquer coisa.

wormhole
Buraco de minhoca: fantasia teórica ou possibilidade real?

‘Fascinante’, como diria o Sr. Spock. Tão fascinante quanto inútil, por não haver forma de comprovação. Li sobre essa classificação tempos atrás, no excelente livro chamado “Physics of impossible”, do físico Michio Kaku.


Algo para se pensar

  • O objetivo das civilizações é de sempre querer mais poder?
  • A visão do autor da lista não estaria condicionada ao pós segunda guerra mundial, numa interpretação expansionista e dominadora da então URSS?
  • Seriam os humanos (homo-sapiens) quem conduziria a Terra no avanço da escala, ou seremos substituídos no caminho? (ver post sobre inteligência artificial).
  • Haveria alguma civilização já em estágios superiores? (ver post sobre vida alienígena).
  • Estaríamos subjugados e controlados por civilizações mais avançada, às quais chamamos genericamente de deus ou força da natureza?
  • Qual objetivo de civilizações tipo V e VI? Criar e controlar multiversos para qual finalidade? Não seria uma visão antropocêntrica (minha e do Kardashev) considerar objetivos humanos como padrão de referência? (Obviamente não temos como fugir disso).
  • Seríamos nós, parte de uma usina ou fazenda de geração de energia para outras civilizações?
  • Civilizações tipo V e VI teriam evoluído a partir do que? Ou está é a possível primeira geração? Por que agora?
  • Civilizações avançadas gastariam tempo pensando em como seriam civilizações mais avanças ainda, mesmo sabendo que é estatisticamente impossível de alcança-las ou compreende-las?
  • Considerar o uso de energia seria mesmo o melhor método para classificar algo como “avançado”?
  • Para manipular planetas e estrelas é necessário muita energia ou massa. Qual o tamanho dos aparelhos para fazer o trabalho e de onde viria a matéria-prima para construção?


Mais perguntas do que respostas. Perguntas para as quais não teremos resposta no nosso limitado tempo de vida. Melhor coisa seria “não perguntar”?


Gaste um pouco de energia e comente.



Fonte: wikipedia: https://pt.wikipedia.org/wiki/Escala_de_Kardashev

Tags :

1 thought on “Escala de Kardashev.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *