Diferença entre Psicopata e Sociopata

Provavelmente você já deve ter ouvido falar nos termos psicopata e sociopata, mas sabe qual a diferença entre os dois? Venha descobrir.

psicopata e sociopata
Hannibal Lecter, Frank Underwood e Dexter (psicopata e sociopata juntos)

Conceitos

Primeiro, vejamos as definições para psicopata e sociopata.

Psicopata

Etimologicamente, a palavra é constituída de duas partes: psico (mental) + pata (aquele sofre de doença ou distúrbio). Assim, pode ser usada para classificar qualquer problema relativo à saúde mental de alguém (como depressão ou fobia social). No entanto, tem o uso mais comum para designar um tipo específico de transtorno psicológico.

Psicopata é a designação atribuída a um indivíduo com um padrão comportamental e/ou traço de personalidade, caracterizada em parte por um comportamento excêntrico e associal, falta da capacidade de empatia/remorso e baixo controle de desejos ou de impulsos tidos como negativos, e pela presença de uma atitude de dominância desmedida, sem se importar com a dor ou sentimentos alheios.

Traços psicopáticos incluem a falta filtros morais e alienação dos direitos de outras pessoas. Com seu charme e carisma, psicopatas podem ser extremamente frios, manipuladores e calculistas. Mentem tanto, e de forma tão convincente, que acabam acreditando nas próprias histórias.

O ponto fraco de um psicopata é seu ego. A autoestima é a maior falha dos psicopatas em qualquer situação em que se envolvam. Os mesmos são vaidosos, se privando de inseguranças e se achando o ápice da evolução social, que acabam cometendo alguma falha e sendo descobertos. É o tipo de criminoso que volta ao local do crime e dá depoimentos falsos, como um cidadão preocupado.

Sinais de psicopatia

Segundo a OMS (organização mundial da saúde), os psicopatas apresentam as seguintes características:

Há um desvio considerável entre o comportamento e as normas sociais estabelecidas. As atitudes não são facilmente modificadas pelas experiências adversas, inclusive pelas punições. Existe uma baixa tolerância à frustração e um baixo limiar de descarga da agressividade, inclusive da violência. Existe uma tendência a culpar os outros ou a fornecer racionalizações plausíveis para explicar atos que levam o sujeito a entrar em conflito com a sociedade.

Na infância e adolescência. podem apresentar os seguintes traços:

  • Frieza emocional
  • Introdução precoce ao mundo do álcool, drogas e outros vícios
  • Não sentem culpa, remorso ou constrangimento ao serem flagrados cometendo atos errados
  • Desafiam a autoridade de pais e professores
  • Mentem deslavadamente
  • Não toleram frustrações
  • Violam as regras sociais
  • Se preocupam apenas com seus interesses e ganhos
  • Sexualidade precoce acentuada
  • Maltratam irmãos, colegas e até bichos de estimação

Um exemplo claro de um psicopata é o personagem Hannibal Lecter, do filme “o silêncio dos inocentes”, suas continuações e adaptações. Escolhia as vítimas por capricho ou pequenas violações, e exibia o crime em forma de pratos requintados para incautos convidados se fartarem, sem darem conta que consumiam carne humana.

Sociopata

Similarmente, a palavra sociopata é formada por sócio (coletividade) + pata (portador de doença), indicando problemas relacionados com o comportamento social. Também há vários tipos de sociopatias, com maior ou menor impacto na vida das pessoas, mas normalmente é usado para designar um tipo específico de condição.

O sociopata é o termo usado para descrever alguém que tem transtorno de personalidade anti-social. Pessoas com este problema, também chamado de sociopatia, possuem pouca empatia, mas sentem culpa e remorso. Frequentemente quebram regras ou tomam decisões impulsivas sem reflexão dos danos que causam, caindo a ficha somente depois do ânimo acalmado.

São pessoas que não sabem conviver em sociedade, bastando uma pequena contrariedade para explodir em raiva e indignação. Casos comuns são de pessoas que dão “carteiradas” quando abordadas por alguma autoridade (“cidadão não! Engenheiro civil!”).

Sociopatas não são movidos pelo amor, mas pelo poder. Possuem disfunções cognitivas que as fazem achar que são melhores do que outras pessoas, acreditando que tem um direito natural de comandar e serem obedecidos.

Sinais de sociopatia

De acordo com o Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, mais conhecido pela sigla em inglês DSM-V, menos de 4% da população mundial sofre com essa doença.

A sociopatia é o nome dado a uma série de comportamentos que ocorrem juntos em um indivíduo. Essas ações são sinais de um transtorno incluído no DSM-V, o chamado Transtorno de Personalidade Antissocial.

Algumas destes comportamentos são:

  • Pouca importância ao sentimento dos outros
  • Personalidade essencialmente anti-social
  • Incapacidade de se colocar no lugar de outra pessoa
  • Exime-se, culpabilizando outras pessoas
  • Incapacidade de autoavaliação e autocrítica
  • Excesso de mentiras e espertezas
  • Dificuldade para edificar relacionamentos
  • Ênfase ao próprio prazer e ao desejo de poder
  • Desprezo por regras sociais e normas legais
  • Pouco nível de tolerância e paciência

Há quem diga que os melhores CEOs (Chief Executive Officer, que traduzindo significa Diretor Executivo das empresas), como Steve Jobs, Mark Zuckerberg, Bill Gates, Ellon Musk, tem características de sociopatas, no sentido de se preocuparem mais com os resultados do que com pessoas. O que dizer então de Donald Trump, sociopata narcisístico?

Sociopata
You are fired!

Afinal, qual a diferença entre psicopata e sociopata?

Ambos apresentam muitas características em comum, como não ligar para as emoções dos outros, excesso de mentiras e egoismo, mas o que difere um psicopata e de um sociopata é a frieza e calculismo. Psicopatas planejam bem suas ações e não são impulsivos, enquanto sociopatas tendem a ser mais explosivos, em surtos de raiva.

Psicopatas podem estar integrados na sociedade, tendo satisfação na manipulação das pessoas, não tanto por um ganho material, mas pelo simples fato de que podem. Por outro lado, sociopatas são anti-sociais, mais reclusos e introvertidos. No entanto, são como rolos-compressores, passando por cima dos diretos dos outros para conseguir o poder a qualquer custo. Querem ser dominantes pois se acham superiores aos demais.

Psicopatas podem ter um perfil discreto, dissimulado, para não chamar a atenção demasiadamente, porém são atrevidos e ousados, deixando deliberadamente pistas que as liguem à ele. Há que diga que o objetivo de um psicopata é ser capturado. Sociopatas por sua vez, não se escondem, mostrando ou ostentando sempre que possível seu status e suas conquistas. Não ligam para os sentimentos ou vontades de outras pessoas, mas quererem ser temidos, invejados ou reverenciados por elas.

Psicopatas podem ter amigos, ou ter afeto por alguma pessoa, embora distorcido. Tê-la por perto apenas para manipula-la; sociopatas normalmente não têm amigos verdadeiros e fogem de interações sociais que não trarão benefícios aos seus objetivos.

Diagnóstico e tratamento

A diferenciação de um psicopata e sociopata não é uma tarefa simples, cravando um rótulo específico em cada um, pois há características que se sobrepõem. Não há um exame laboratorial que aponte diferenças fisiológicas conclusivas, nem uma associação direta com algum gene, indicando um possível problema genético. Exames da anatomia cerebral e áreas ativadas relativas às estes distúrbios ainda não apontam para uma solução.

Desta forma, cabe apenas avaliações psiquiátricas e psicológicas. Há remédios que podem controlar surtos ou deixar os pacientes dopados constantemente, para não oferecerem risco aos demais internos. Medicações para depressão e ansiedade podem ajudar, embora a cura medicamentosa esteja fora do alcance, por enquanto.

Vale ressaltar que em ambos os tipos, eles não apresentam todos os sintomas de uma vez, nem passam a vida toda neste estado, variando conforme as interações sociais e ambientais.

O grande problema do psicopata e sociopata é a não admissão de que eles têm problemas e que precisam de ajuda e aconselhamento. A própria natureza dos distúrbios bloqueia o acesso para a autorreflexão, seja por não conseguirem, por lhes ser estranho ou por não quererem mesmo. A auto-crítica necessária para regular os comportamentos sociais não está presente nos indivíduos com estes problemas mentais.

Há testes padrões que ajudam classificar os dois tipos e a gravidade da intensidade, embora não estejam isentos de manipulação.

O grau de internalização das crenças e sentimentos determina as possibilidades de cura para ambos os casos. Alguns são causa perdida; outros conseguem uma reintegração social para serem autossuficientes e não representarem ameaças para si e para outras pessoas. Varia muito de caso para caso.

O comportamento de sociopatas tem sido mitigado, pelo menos nas empresas, com leis contra o assédio moral; já dos psicopatas é difícil e sútil de ser detectado. Temos o imaginário afetado por filmes sobre serial-killers, mas este tipo de psicopatia é raro, felizmente.


Agora que você já sabe a diferença entre psicopata e sociopata, comente se já teve que lidar com algum.

Fontes: Wiki, Psicanálise clínica

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *