A grande conjunção de Júpiter e Saturno 2020

Em 21/12/2020 aconteceu a grande conjunção de Júpiter e Saturno, quando os dois planetas estão em alinhamento quase perfeito com a Terra, após 400 anos. Mas o que isso significa? Quais as explicações da Astronomia? Qual significado pode ser atribuído pela Astrologia? O que diz a mitologia e história sobre esse fascinante evento? Vamos descobrir. Acomode-se porque a viagem é longa.

grande conjunção de Júpiter e Saturno
Grande conjunção de Júpiter e Saturno – fonte: NASA

A grande conjunção de Júpiter e Saturno – Astronomia

O que é uma conjunção planetária?

É um evento astronômico que ocorre quando, do ponto de vista da Terra, os planetas estão alinhados no céu, parecendo que um passa pelo outro. O nome conjunção pode dar a entender que eles estão juntos ou próximos, mas isto não é verdade. Permanecem milhões de quilômetros de distância um do outro, sendo apenas um fenômeno ótico.

Cada estrela, planeta e luas têm suas próprias órbitas, umas mais circulares, outras mais elípticas, dispostas mais ou menos numa posição plana, como se os conjuntos fossem um disco. Cada agrupamento tem suas peculiaridades e movimentos governados pela gravidade. Isso faz com que cada astro se mova com determina velocidade em relação à seu ponto gravitacional. Desta forma, de tempos em tempos, os alinhamentos ocorrem.

“Você pode imaginar o sistema solar como uma pista de corrida olímpica, com cada um dos planetas como um corredor em sua própria pista, e a Terra sendo o centro do estádio. Ali no meio, para quem assiste, em certos momentos os “corredores” parecem estar juntos, alinhados, um cobrindo a visão do outro.

Por que a grande conjunção de Júpiter e Saturno chama a atenção?

Júpiter e Saturno se alinham a cada vinte anos aproximadamente, porém não com uma distância tão pequena. A última vez que isso ocorreu foi em 1623 e faz 800 anos que o evento ocorreu à noite, possibilitando a visão a olho nu. A raridade e a chance de poder serem vistos com facilidade no céu por muitas pessoas é o que torna a grande conjunção tão especial. Além disso, a coincidência com o solstício de verão/inverno e proximidade com o Natal tornou o assunto popular, com direito até a Doodle.

doodle grande conjunção de júpiter e saturno
Doodle da grande conjunção

Júpiter, que tem um período de translação menor (12 anos), vinha se aproximando de Saturno (30 anos) desde o começo do mês, culminando na menor distância angular no dia 21/12/2020. Daí em diante, Júpiter se afastará. Essas conjunções ocorrem em datas diferentes, conforme a posição da Terra, Saturno e Júpiter. A ocorrência exata com o solstício, como foi dito, é meramente circunstancial e uma coincidência.

No hemisfério norte, com o solstício de inverno, data em que a noite tem a maior duração devido a inclinação do eixo da Terra, permite que seja contemplado por mais tempo.

É um fato concreto e perfeitamente explicável, sem maiores consequências, não causando nenhum efeito conhecido na Terra, a não ser pela agitação e frenesi dos astrônomos amadores e à associação com a “Estrela Belém” ou “Estrela de Natal” para os cristãos. Devido o Covid-19, alguns chegaram a chamar a grande conjunção de Júpiter e Saturno de ” a conjunção do fim do mundo”.

A grande conjunção de Júpiter e Saturno – Astrologia

Saindo dos fatos científicos e entrando no reino do nebuloso, das construções mentais e culturais humanas, vejamos o que a conjunção significa na Astrologia.

O que é uma conjunção astrológica?

Para efeitos práticos e posicionamentos físicos, a conjunção astronômica e astrológica são o mesmo evento. Um mapa astrológico representa as posições reais dos astros no céu. Ponto. Daqui em diante seguem caminhos totalmente diferentes. Mais do que a mecânica celeste, a astrologia se ocupa com os significados que tais agrupamentos podem ter e como afetam a vida das pessoas na Terra.

Os ângulos formados pelas posições dos astros são chamados de aspectos (incluindo Sol, Lua e planetas no mesmo balaio, pois assim o parece na visão geocêntrica que experimentamos). Os mais comuns são:

  • Conjunção (0°)
  • Sextil (30°)
  • Trígono (60°)
  • Quadratura (90°)
  • Oposição (180°)

Eis alguns exemplos:

mapa grande conjunção de júpiter e saturno
Mapa astral do instante que comecei este artigo

As linhas azuis indicam aspectos “positivos” ou “harmônicos”, enquanto as vermelhas, os “negativos” ou” tensos”. A espessura das linhas indica o quanto os astros estão próximos dos ângulos específicos de cada aspecto.

Júpiter Saturno Plutão
Símbolos dos planetas

Percebam que no circulo verde destacado estão Júpiter e Saturno próximos, com Plutão ligeiramente afastado.

Nota: este texto não tem a pretensão de ser um manual sobre astrologia. Logo, apenas o que for relevante para o tema e contexto serão explicados.

Nota 2: Para a astronomia, a presença de Plutão não é relevante para o evento devido o tamanho minúsculo do planeta-anão em comparação com outros dois gigantes gasosos, além da grande distancia que os separam. Só potentes telescópios podem detecta-lo.

Nota 3: Talvez se interessem em ler:

Astrologia e horóscopo parte I, Parte II, Parte III e interpretação de uma mapa natal.

Qual o significado da conjunção na astrologia?

A conjunção para astrologia é um aspecto inerentemente neutro e tem um caráter de complementariedade ou soma. No entanto, o que realmente define o significado, são os planetas envolvidos e suas características principais. No caso, Júpiter e Saturno é um par de opostos, com Plutão intensificando e aprofundando as relações entre eles.

Os significados simbólicos se sobrepõem, modificando-os. Além disso, o signo em que estão também faz diferença (no caso, Aquário, ligado com Urano). Para gerar uma interpretação disso tudo, seria bom darmos uma olhada na mitologia e história envolvendo este quarteto.

Mitologia de Júpiter, Saturno, Urano e Plutão

As primeiras associações dos planetas com divindades foram feitas pelos Sumérios, 5000 anos atrás (consideravam como estrelas na época). As características que cada um apresentava no céu foi o motivo para as nomeações. Os gregos adaptaram ao seu jeito, incorporando novos elementos na mitologia. Depois, com a expansão e dominação do Império romano, as divindades gregas foram absorvidas na cultura com nomes trocados para o latim, ficando da seguinte forma:

Enlil, o maior = Zeus = Júpiter, senhor do Olimpo

Ninurta, o mais lento = Cronos = Saturno, senhor do Tempo

Nenhuma “estrela” nomeada pelos sumérios = Hades = Plutão, senhor do sub-mundo

Nenhuma “estrela” nomeada pelos sumérios = Urano = Urano mesmo, deus do céu

É interessante notar que as dividades primordiais na mitologia grega eram Urano e sua parceira Gaia (Terra). Urano está ligado ao reino da ideias e formas perfeitas, criador de todas as coisas, enquanto Gaia, a Grande Mãe, gerava fisicamente os frutos imaginados pelo marido. Como não há jeito de transformar uma ideia em uma forma perfeita, Urano se irritava com Gaia e devorava seus filhos.

Gaia, cansada das exigências de Urano, forjou uma foice dourada para um de seus filhos, Cronos, que decepou o membro viril de seu pai, acabando com os abusos.

Posteriormente, Cronos gerou os filhos Zeus e Hades. Como uma sina, Zeus tramou com seu irmão Hades e aprisionaram Cronos no Tártaro. Um pai destronando outro. Desta forma, todos estão relacionados.

Na astrologia, os astros herdaram as características dos deuses dos quais foram nomeados. Segue uma lista das associações mais comuns:

Júpiter

Júpiter se refere ao poder de crescimento que promove a vida, a prosperidade e a boa sorte, especialmente o desenvolvimento da personalidade e da visão pessoal. Tudo o que Júpiter toca torna-se rico, grande e expansivo. Júpiter também está ligado à dignidade, sabedoria, esperança e amor à graça, fé, confiança, riqueza, sucesso, otimismo, generosidade e justiça. Ou seja, os valores superiores.

Por outro lado, superestima a própria personalidade, pode ser inescrupuloso, arrogante, fútil, sedento de poder e de prazeres. Preguiçoso, tem a tendência de ser desagradavelmente exagerado ou puramente superficial, numa atitude de hipocrisia, fanatismo e megalomania. Exageros de uma forma generalizada sem preocupação com as consequências.

Saturno

Ligado à estrutura, estabilidade e limitação. Impõe ou necessita de leis, procedimentos, segurança e fundações sólidas. Resistência e coerência. Capacidade de estabelecer limites como proteção, mas também os desagradáveis que não lhe permite obter o que deseja. Saturno, o mestre do tempo, faz que todas as coisas tenham um fim. Tem ambição altamente desenvolvida e resistência aliada com a renúncia sem limites. Leva o dever extremamente a sério, com realizações excepcionalmente disciplinadas e confiáveis. Anseia por segurança material e o reconhecimento público. Constrições, restrições, cristalizações e obrigações.

Isso leva ao medo de viver e, acima de tudo, medo de fracassar, de não ser bom o suficiente, nem suficientemente digno de amor. Pode haver conflitos com autoridade, em disputas pelo poder. Uma dureza e inflexibilidade obstinada, com uma necessidade calculada de admiração, sufoca todos os impulsos de vida e corre o risco de perder-se na depressão da melancolia amarga. Trabalha arduamente, de forma autodestrutiva, devido a necessidade de alcançar metas. Complexos de inferioridade e subserviência pode fazer parte de Saturno. Solidão na vida emocional, reprimida e desperdiçada no comportamento rígido e ausência de calor humano, de sinceridade, bem como dos elementos divertidos e descompromissados. 

Plutão

É o poder da transformação mais profunda, vindo das fontes originais e arcaicas, assim como a força crítica que antecede todo e qualquer juízo moral. Não há nada que o impeça ou lhe cause remorso pois, socialmente, as estruturas não valem nada, frente ao poder indescritível da natureza. Pode ser tenebroso, cruel, brutal, sádico, destrutivo, devorador e letal. A consciência solar (entendido ás vezes como Júpiter) foge dele como se fosse um abismo infernal. As coisas relacionadas à Plutão estão sempre ligadas ao poder, que inclui um aspecto de obsessão e uma potência tremendamente criativa, uma força intensa e uma vontade quase insuperável. Impulso de provocar mudança com a morte de velhas estruturas para permitir os renascimentos e transformações.

Urano

Busca a independência e liberdade em todos os níveis: mental, emocional e material. Percepções rápidas e soluções espontâneas, com espírito de inovação e vanguarda. Percepções intuitivas que vem no momento certo, devido consciência social (ou cósmica, como sugerem alguns). Como uma antena, está sempre ligado em tudo, sendo original, não convencional, com gosto pela experimentação. A criatividade e a perfeição das ideias não pode ter limites.

Sempre inquieto, é uma pilha instável, sempre à procura de algo novo, de mudança, revolução. Pode ser subversivo, arbitrário, imprevisível, súbito, desatencioso, destrutivo, com aversão compulsiva por todas as coisas obrigatórias. Liberdade a qualquer preço, que frequentemente causa quebra de compromissos. O velho deve ser destruído para dar lugar para ao novo, em um ciclo de progresso. Individualmente pode ser ruim, mas é bom para o coletivo.

Quando o planeta foi descoberto, acontecia a revolução francesa com os ideais de Liberdade, Igualdade e Fraternidade, ligando-o com grandes movimentos sociais.

grande conjunção júpiter e saturno
Proporção do Sol com os planetas. Você está na terceira bolinha da esquerda para direita

Gerando significado para a grande conjunção de Júpiter e Saturno

Adianto que não há uma resposta única e certa para a assunto, se é que existe uma no fim das contas. Como são muitos conceitos juntos e muitas ideias, as combinações são as mais variadas. O resultado passa ainda pelos filtros mentais e crenças de quem tenta gerar algum sentido para isso tudo.

O grande oba-oba na turma do uhuuul da astrologia é devido à chegada da Era de Aquário, trazendo com ela uma sociedade mais igualitária e desenvolvida. A convulsão social e econômica causada pelo covid-19 é tida como prenúncio para mudanças. Altamente especulativo e oportunístico.

Em termos simples, pode ser entendido como a aproximação de Júpiter e Saturno passando por Plutão e entrando em conjunção no signo de Aquário. Há um ano atrás, Saturno estava em conjunção exata com Plutão em Capricórnio. Júpiter, com um período de translação menor, estava distante, mas no decorrer do período passou por Plutão também, alcançando Saturno. O par deu uma passada no inferno, mas já está de saída.

Saturno em Capricórnio em conjunção com Plutão pode explicar o movimento nacionalista que assolou boa parte do mundo, com governantes autoritários e sedentos para impor suas vontades. O confuso desejo popular por ordem e estabilidade, serviu para mostrar que o modelo patriarcal não cabe mais, sendo um último suspiro da mentalidade retrograda e presa ao passado.

O filho (Júpiter) com o pai (Saturno) entrando juntos da casa do avó (Urano/Aquário) pode ser uma tentativa de reconciliação e quebra do padrão da paternidade destrutiva. Impossível? Não. Improvável? Talvez.

A grande conjunção de Júpiter e Saturno em Aquário pode indicar um período de progresso sustentável, de crescimento ordenado e de renovação após um fase purgatória. Não literalmente pelas mortes de idosos pelo Covid-19, mas pela percepção do quanto o equilíbrio natural é frágil, de como a soberba humana e a acomodação política-social-científica é incapaz de tratar desafios de calamidades globais. O mindset de que “somos avançados o suficiente para lidar com qualquer situação” caiu por terra. Não somos. Não estamos preparados. Problemas ambientais serão um ponto de virada social importante.

A crescente expansão tecnológica, interconectando mais pessoas, é justamente o motivo do distanciamento social, do contato humano, agravados pela pandemia. O lado preguiçoso de Júpiter, aliado com a necessidade de aprovação externa de Saturno, descreve muito bem a atual geração. Há bonança sem esforço e descontentamento com o que se é ou tem. Uma massa sem valores superiores e sem capacidade de suportar desafios.

A cada dia, novas descobertas e avanços tecnológicos no campo da computação quântica são anunciados. O poder de processamento de informações será inimaginável daqui poucos anos (à partir de 2023 talvez, com a entrada de Plutão em Aquário?). A inteligência artificial vai substituir boa parte da necessidade humana nas tomadas de decisões. Pior, vamos entregar o poder de bandeja, pois os softwares serão capazes de fazer escolhas melhor que nós mesmos.

Reflexão e conclusão

A grande conjunção de Júpiter e Saturno, neste final ano atípico, com o próximo sendo uma incógnita há muito não vista, é um momento para refletir em como será a sociedade daqui algumas décadas. Cenários mais pessimistas apontam para a degradação ambiental e problemas decorrentes do aquecimento global, somado com uma multidão de humanos sem função, resultando em um abismo econômico nunca visto. Boa parte da população morrerá de fome e conflitos por recursos naturais serão frequentes.

Já para os otimistas, a tecnologia resolverá os problemas ambientais com a descoberta de novos modos de produção e geração de energia limpa. A população será mais qualificada tecnicamente e lidará com questões mais profundas, envolvendo empatia e fraternidade, coisas que exigem mais consciência e emoções, que não é o campo da inteligência artificial (que não requer consciência para ser efetiva). Pessoas viverão por mais tempo, com menos problemas de saúde e mais qualidade de vida. Humanos aprimorados com implantes ou “editados” geneticamente poderão ter “super poderes”, gerando uma nova espécie. Fim do curto reinado dos homo sapiens.

Muito provavelmente será um misto de tudo isso, com mais ou menos avanços, dependendo de quem sair na frente tecnologicamente.

Mesmo sendo a astrologia uma grande colcha de retalhos de mitos e símbolos, sem uma relação de causa e efeito definida, serve como ferramenta para ligar assuntos diferentes e tentar dar significado para a realidade. As correntes do pensamento do coletivo têm a capacidade de moldar o comportamento da sociedade, para o bem ou para mal, e a crença nestes mitos e símbolos fazem parte do fluxo mental, da realidade intersubjetiva. Talvez, seja essa a razão da causalidade, em um grande esquema das coisas, em que o individuo sozinho é incapaz de perceber.


E aí, gosta mais de astronomia ou astrologia? Tem uma interpretação diferente para a grande conjunção de Júpiter e Saturno? Comente.

2 thoughts on “A grande conjunção de Júpiter e Saturno 2020

  • 23 de dezembro de 2020 em 09:11
    Permalink

    Muito bom! Tratou da subjetividade e simbolismo da astrologia e mitologia com clareza e pé no chão.
    Siga assim!

    Resposta
  • 23 de dezembro de 2020 em 09:17
    Permalink

    engenheiro de obra pronta

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *